Relação dos primeiros contabilistas formados em Portugal por via institucional (1759-1763: Aula do Comércio de Lisboa)

Autores/as

Palabras clave:

Portugal, Aula do Comércio de Lisboa, Contabilidade, Alunos, Século XVIII

Resumen

O artigo apresenta, pela primeira vez na literatura, uma lista sistemática dos alunos diplomados no primeiro curso da Aula do Comércio de Lisboa, a primeira escola de contabilidade a funcionar em Portugal.

Fundada em Lisboa em 1759, esta instituição formou os primeiros contabilistas no ano de 1763 e contribuiu de forma marcante para o início do processo de regulamentação da profissão de contabilista em Portugal. Foram 31 no total os alunos diplomados e os seus nomes podem aqui ser vistos, bem como os destinos profissionais de 23 deles. Com recurso a fontes primárias de investigação, legislação da época e referências secundárias, o texto permite acrescentar saber ao modo como se difundiu o conhecimento contabilístico em Portugal na segunda metade do século XVIII. Pretende-se com este ensejo criar condições e fazer uma chamada para que a comunidade da história da contabilidade portuguesa actualize e expanda uma obra de 1974 que se crê essencial para a história da profissão de contabilista, o Contributo para um Dicionário de Professores e Alunos das Aulas de Comércio, de Francisco Santana.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Acúrsio das Neves, J. A. (1827), Noções Históricas, Económicas e Administrativas sobre a Produção e Manufactura das Sedas em Portugal e Particularmente sobre a Real Fábrica do Subúrbio do Rato e suas Anexas. Lisboa: Impressão Régia.

Araújo, R. T. (1997), "Habilitandos brasileiros às ordens militares, ao Santo Ofício e à leitura de Bacharéis". Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro 158(394), pp. 281-350.

Arquivo da Universidade de Coimbra (2016), Índice de alunos da Universidade de Coimbra - letra F; Frantt, João Rebelo. [Acesso electrónico obtido em 31 Jul. 2016; disponível directamente em http://www.pesquisa.auc.uc.pt/details?id=164066].

Azevedo, M. C. (1961), A Aula do Comércio, Primeiro Estabelecimento de Ensino Técnico Profissional Oficialmente Criado no Mundo. Lisboa: Escola Comercial Ferreira Borges.

Borges de Macedo, J. (1984), "Companhias comerciais". In Serrão, J. (org.) (1984), Dicionário de História de Portugal (vol. 2) (pp. 122-130). Porto: Livraria Figueirinhas.

Cardoso, J. L. (1984), "Uma "Notícia" esquecida: o ensino da Economia na Aula do Comércio". Estudos de Economia 5(1), pp. 87-112.

Carnegie, G. D. (2005), "O passado da contabilidade em Portugal". Contabilidade e Gestão (Portuguese Journal of Accounting and Management) 1, pp. 15-17.

Carqueja, H. O. (2001), "Entrada da contabilidade no ensino oficial e, depois, no ensino superior". Jornal do Técnico de Contas e da Empresa 424, pp. 362-364.

Carqueja, H. O. (2010), Arte da Escritura Dobrada que Ditou na Aula do Comércio João Henrique de Sousa Copiada para Instrução de José Feliz Venâncio Coutinho no Ano de 1765 - comentário, fac-símile e leitura. Lisboa: Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas.

Carqueja, H. O. (2011), "Apontamento sobre a contabilidade em Portugal entre 1900 e 1950". De Computis: Revista Española de Historia de la Contabilidad (Spanish Journal of Accounting History) 8(14), pp. 3 49. https://doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v8i14.106

Carreira, A. (1988), A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (vol. 1). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Carvalho, M. S. (1953), "Comercialização do ensino da contabilidade". Revista de Contabilidade e Comércio 81, pp. 83-85.

Chaves, C. M. G. (2013), "A administração fazendária na América Portuguesa: a Junta da Real Fazenda e a política fiscal ultramarina nas Minas Gerais". Almanack 5, pp. 81-96. https://doi.org/10.1590/2236-463320130505

Código Comercial Português (1833). Lisboa: Imprensa Nacional.

Coimbra, C. D. (1959), Livros de "Ofícios para o Reino" do Arquivo Histórico de Angola (1726-1801) (vol. 1). Luanda: Publicações do Museu de Angola.

Costa, L. F., Lains, P. e Miranda, S. M. (2011), História Económica de Portugal - 1143 a 2010 (1.ª ed.). Lisboa: A Esfera dos Livros.

Crespo, J. e Hasse, M. (1981), "A alimentação no Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1766-1831)". Revista de História Económica e Social (1.ª série) 7, pp. 93-110.

Cruz, M. D. (2014), "Pombal e o Império Atlântico: impactos políticos da criação do Erário Régio". Revista Tempo 20, pp. 1-24.

https://doi.org/10.20509/TEM-1980-542X2014v203618

Diário do Governo, 5 de Dezembro de 1918, I Série - número 263, pp. 2067-2112. [Promulga o Decreto n.º 5029, de 1 de Dezembro de 1918, inserindo a Organização do Ensino Industrial e Comercial, pela Secretaria de Estado do Comércio do Governo da República Portuguesa].

Donoso Anes, R. (1994a), "La contabilidad por partida doble en España en el siglo XVI: un estudio comparativo con el método italiano" [parte 1]. Técnica Contable 547, pp. 487-508 e p. 528.

Donoso Anes, R. (1994b), "La contabilidad por partida doble en España en el siglo XVI: un estudio comparativo con el método italiano (conclusión)" [parte 2]. Técnica Contable 548-549, pp. 498-602 e p. 608.

Exposição da Junta da Liquidação dos Fundos das Extinctas Companhias do Grão-Pará e Maranhão, Pernambuco e Paraíba (1836). Lisboa: Imprensa Nacional.

Gomes, D. (2007), Accounting Change in Central Government: the Institutionalization of Double Entry Bookkeeping at the Portuguese Royal Treasury (1761-1777). Braga: Universidade do Minho; Escola de Economia e Gestão. Tese de Doutoramento em Ciências Empresariais, especialização em Contabilidade.

Gomes, D., Carnegie, G. D. e Rodrigues, L. L. (2008), "Accounting change in central government: the adoption of double entry bookkeeping at the Portuguese Royal Treasury (1761)". Accounting, Auditing & Accountability Journal 21(8), pp. 1144-1184.

https://doi.org/10.1108/09513570810918797

Gomes, D., Carnegie, G. D. e Rodrigues, L. L. (2014), "Accounting as a technology of government in the Portuguese Empire: the development, application and enforcement of accounting rules during the Pombaline Era (1761-1777)". European Accounting Review 23(1), pp. 87-115. https://doi.org/10.1080/09638180.2013.788981

Gonçalves, M. (2013), "Emergência e desenvolvimento da contabilidade por partidas dobradas. Traços gerais de um homem de negócio da praça de Lisboa: José Francisco da Cruz, tesoureiro-geral do Erário Régio português, 1761". Revista Portuguesa de Contabilidade 3(12), pp. 669-696.

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (1981) [actualização - volume 1]. Entrada: "Aula de Comércio" (pp. 691-692). Lisboa e Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia.

Guimarães, J. C. (2009), "História (breve) da regulamentação da profissão de contabilista em Portugal". Revista dos Técnicos Oficiais de Contas 117, pp. 30-43.

Hernández Esteve, E. (2013), Aproximación al Estudio del Pensamiento Contable Español - de la Baja Edad Media a la consolidación como asignatura universitária. Madrid: AECA.

Hespanha, A. M. (2013), "As finanças portuguesas nos séculos XVII e XVIII". Cadernos do Programa de Pós Graduação em Direito/UFRGS 8(2), pp. 79-132. https://doi.org/10.22456/2317-8558.44292

Labourdette, J.-F. (1988), La Nation Française a Lisbonne de 1669 a 1790 - entre Colbertisme et Libéralisme. Paris: Fondation Calouste Gulbenkian - Centre Culturel Portugais.

Marcos, R. M. F. (1997), As Companhias Pombalinas - contributo para a história das sociedades por acções em Portugal. Coimbra: Almedina.

Martins, E. (1960), A Aula do Comércio: 1759 (na comemoração do segundo centenário da sua abertura). Lisboa: Tipografia da E.N.P. (Secção Anuário Comercial de Portugal).

Matos, C. G. (2016), A Responsabilidade dos Contabilistas Certificados no Exercício da sua Atividade Profissional - a responsabilidade tributária. Coimbra: Almedina.

Matthews, D. (2016), "The social class, educational background, gender and recruitment of American CPAs: an historical profile". Accounting Historians Journal 43(1), pp. 121-156. https://doi.org/10.2308/0148-4184.43.1.121

Monteiro, N. G. (2006), D. José. Lisboa: Círculo de Leitores.

Morais, A. de (1789), Dicionário da Língua Portuguesa - composto pelo Padre D. Rafael Bluteau, reformado e acrescentado por António de Morais Silva (vol. 1; A a K). Lisboa: Oficina de Simão Tadeu Ferreira.

Mott, L. (1994), "A Inquisição no Maranhão". Revista Brasileira de História 14(28), pp. 45-73.

Oliveira, J. M. (2014), A Contabilidade e o Equilíbrio de Interesses - o caso da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756-1826). Porto: Universidade do Porto; Faculdade de Economia. Tese de Doutoramento em Ciências Empresariais, área de Contabilidade.

Pereira, G. M. (2000), "A Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro em 1784, segundo um relatório de Luís Pinto de Sousa Coutinho. II". Douro - Estudos & Documentos V(9) (1.º), pp. 155-174.

Pimenta, P. (1934), "O Marquês de Pombal regulamentou as profissões de Técnicos de Contas". Revista de Contabilidade e Comércio 8, pp. 289-295.

Portela, A. F. (1968), "A evolução histórica do ensino das Ciências Económicas em Portugal". Análise Social 22-23-24, pp. 787-836.

Ratton, J. (1813), Recordações de Jacome Ratton (sobre ocorrências do seu tempo em Portugal, durante o lapso de sessenta e três anos e meio, aliás de Maio 1747 a Setembro de 1810). Londres: H. Bryer.

Rodrigues, L. L., Carqueja, H. O. e Ferreira, L. F. (2016), "Double-entry bookkeeping and the manuscripts dictated in the Lisbon School of Commerce". Accounting History 21(4), pp. 489-511. https://doi.org/10.1177/1032373216639307

Rodrigues, L. L. e Craig, R. (2004), "English mercantilist influences on the foundation of the Portuguese School of Commerce". Atlantic Economic Journal 32(4), pp. 329-345. https://doi.org/10.1007/BF02304238

Rodrigues, L. L. e Craig, R. (2009), "Teachers as servants of state ideology: Sousa and Sales, Portuguese School of Commerce, 1759-1784". Critical Perspectives on Accounting 20(3), pp. 379-398. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2007.11.001

Rodrigues, L. L., Craig, R. e Gomes, D. (2007), "State intervention in commercial education: the case of the Portuguese School of Commerce, 1759." Accounting History 12(1), pp. 55-85. https://doi.org/10.1177/1032373207072808

Rodrigues, L. L. e Gomes, D. (2002), "Evolução da profissão dos Técnicos de Contas em Portugal: do Marquês de Pombal até aos nossos dias". Jornal de Contabilidade 302, pp. 131-141.

Rodrigues, L. L., Gomes, D. e Craig, R. (2003), "Aula do Comércio: primeiro estabelecimento de ensino técnico profissional oficialmente criado no mundo?". Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas 34, pp. 46-54.

Rodrigues, L. L., Gomes, D. e Craig, R. (2004), "Portuguese School of Commerce, 1759-1844: a reflection of the 'Enlightenment'". Accounting History 9(3), pp. 53-71. https://doi.org/10.1177/103237320400900304

Rodrigues, L. L., Gomes, D. e Craig, R. (2005), "Corporativismo, Liberalismo e a profissão contabilística em Portugal". In Guimarães, J. C. (org.) (2005), História da Contabilidade em Portugal - reflexões e homenagens (pp. 167-198). Lisboa: Áreas Editora.

Rodrigues, M. B. (2011a), O Erário Régio e as Contas do Reino no ano de 1765 - o poder e a contabilidade. Lisboa: ISCTE; Departamento de História. Dissertação de Mestrado em História Moderna e Contemporânea.

Rodrigues, M. B. (2011b), "Os homens do Erário Régio". Pecvnia: Revista de la Facultad de Ciencias Económicas y Empresariales de la Universidade de León 13, pp. 59-81. https://doi.org/10.18002/pec.v0i13.603

Rodrigues, M. B. (2016), "Erário Régio: contadores, devedores e credores e respectivos saldos". De Computis: Revista Española de Historia de la Contabilidad (Spanish Journal of Accounting History) 13(24), pp. 41-56. https://doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v13i24.1

Rómulo de Carvalho (1959), História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1761-1772). Coimbra: Atlântida.

Santana, F. (1974), Contributo para um Dicionário de Professores e Alunos das Aulas de Comércio. Lisboa: Associação Comercial de Lisboa - Câmara de Comércio.

Santana, F. (1985), "A Aula do Comércio: uma escola burguesa em Lisboa". Ler História 4, pp. 19-30.

Santana, F. (1987a), "A Aula do Comércio de Lisboa. V - Abecedário de lentes e aulistas". Lisboa - Revista Municipal (2.ª série) 21, pp. 23-34.

Santana, F. (1987b), "A Aula do Comércio de Lisboa. VI". Lisboa Revista Municipal (2.ª série) 22, pp. 41-48.

Santana, F. (1988), "A Aula do Comércio de Lisboa. VII (conclusão)". Lisboa - Revista Municipal (2.ª série) 23, pp. 19-30.

Serrão, J. (1987), Pequeno Dicionário de História de Portugal. Porto: Figueirinhas.

Sousa Franco, A. L. e Paixão, J. C. (1995), Magistrados, Dirigentes e Contadores do Tribunal de Contas e das Instituições que o Precederam - finais do século XVIII a 31-12-1992. Lisboa: Tribunal de Contas.

Publicado

2016-12-28

Cómo citar

Gonçalves, M. (2016) «Relação dos primeiros contabilistas formados em Portugal por via institucional (1759-1763: Aula do Comércio de Lisboa)», De Computis, Revista Española de Historia de la Contabilidad, 13(25), pp. 91–111. Disponible en: https://www.upo.es/revistas/index.php/decomputis/article/view/7041 (Accedido: 13 junio 2024).

Número

Sección

Artículos Doctrinales / Doctrinal Articles