Criação da CDGEN: uma estratégia institucional para combater a LGBTfobia e violência de gênero no ambiente universitário

Autores/as

  • Aurivar Fernandes Filho Universidade Federal de Santa Catarina
  • Olga Regina Zigelli Garcia Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.46661/relies.6170

Palabras clave:

Universidade, Gênero, Diversidade Sexual, LGBTfobia

Resumen

Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa que teve por objetivo apresentar a criação e o trabalho da Coordenadoria de Diversidade Sexual e enfrentamento da violência de Gênero - CDGEN, como estratégia utilizada pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC no acolhimento à comunidade LGBTQIA+ e no combate à LGBTfobia e violência de gênero na instituição. A coleta de dados, desenvolvida de julho a agosto de 2021, foi realizada no site da CDGEN e ambiente virtual de ensino aprendizagem do Curso de formação Gênero e Diversidade no Ambiente Universitário realizado em 2019 e 2020. Os autores concluem que a criação da CDGEN e atividades desenvolvidas produziram resultados positivos no sentido de acolhimento e respeito às diferenças com uma mudança, ainda que homeopática, significativa na permanência de estudantes que fogem à cisheteronorma e mulheres vítimas de violência. Ao final recomendam a criação de um espaço institucional voltado para as questões de gênero e diversidade sexual nas Instituições de Ensino Superior no Brasil com vistas a um acolhimento pautado no respeito e tratamento digno às pessoas que fogem a norma cisheterossexual em sua trajetória formativa visando a permanência qualificada e o êxito acadêmico.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alburquerque, P. P. de; Williams, L. C. A (2015). Impacto das piores experiências escolares eme studantes: um estudo retrospectivo sobre traumas. Paidéia, v. 25, n. 62, pp. 343-35. http:// doi:10.1590/1982-43272562201508.

Ávila, F.L. K (2016). Ousadia, (in)visibilidades e exclusões de uma mulher trans na Universidade. Saúde. &Transf. Soc., v.7, n.3, pp.iii-iv.

Borrillo, D. A homofobia. In: Lionço, T.; Diniz, D (2009). Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: LetrasLivres: EdUnB.

Conselho Universitário (2015). Resolução Normativa 59/CUn/2015. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/135170

FernandesFilho, A.; Oltramari, L. C (2021). Permanência qualificada nas universidades federais: (in) visibilidade das políticas institucionais para a população LGBTQIA+. In.: Oliveira, Vanilda Maria de; FILGUEIRA, André Luiz de Souza; SILVA, Lion Marcos Ferreira e (orgs.). Corpo, corporeidade e diversidade na educação (pp. 386-411). Editora Culturatrix,

Foucault, M (2014). História da sexualidade 1: a vontade de saber. EdiçõesGraal.

Guerra, E. L. de A (2014). Manual de Pesquisa qualitativa. Grupo ÂnimaEducação. http://disciplinas.nucleoead.com.br/pdf/anima_tcc/gerais/manuais/manual_quali.pdf.

Jesus, J.G. (2016). Pessoas trans também precisam de cotas. Disponívelemhttps://azmina.com.br/colunas/pessoas-trans-tambem-precisam-de-cotas/? Acessoem 20 de agosto de 2021

Junqueira, R. D (2015).Temos um problema em nossa escola: um garoto afeminado demais. Pedagogia do armário e currículo e ação. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 4. n. 3, pp. 221-239.

Nardi, H.C.; Machado, P.S.; Machado, F.V.; Zenevich, L. (2013). O “armário” da universidade: O silêncio institucional e a violência, entre a espetacularização e a vivência cotidiana dos preconceitossexuais e de gênero. Teoria e Sociedade, n. 21.2, pp. 179-200.

Nota, J. M (2012). Conhecimentos, atitudes e representações fase às homossexualidades entre os futuros professores de Biologia para o ensino secundário geral. Dissertação (Mestrado em Educação: ensino da Biologia) – Universidade Pedagógica, Maputo, Moçambique.

Moretti-Pires, R. O. et al. (2019). Preconceito contra diversidade sexual e de gênero entre estudantes de medicina de 1º ao 8º semestre de um curso da região sul do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica(Supl. 1), v.43, pp. 568-578. https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190076.

Oliveira, M. R (2018). Angústia e colonialidade do ser: percepção sobre LGBTfobia em estudantes de Licenciatura em Pedagogia e em Física do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco. Dissertação. (Mestrado emeducação contemporânea). Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, Brasil.

Piovesan, F (2008). Ações afirmativas no Brasil: desafios e perspectivas. Estudos Feministas, v. 16(3), pp.887-896.

Prado, M; Machado, F (2008). Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. Editora Cortez.

Prado, M. A. M; Martins, D. A; Rocha, L. T. L (2009). O Litígio sobre o impensável: escola, gestão dos corpos e homofobia institucional. Bagoas, v. 3, n. 4, pp. 209-232.

Prado M. A. M; Mountain, I.; Machado, F. V; Santos, L. C (2010). Los Movimientos LGBT y las luchas por la democratización de las jerarquías sexuales en Brasil. Revista Digital Universitariam, v. 11, n. 7, pp. 1-15.

Ribeiro, C. J., Moraes, D.F. C.; Medeiros, K. N. R. (2019). A universidade e os corpos invisibilizados: para se pensar o corpo LGBT. Diversidade E Educação, v.7(2), pp. 357–372, https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9305.

Seffner, F. (2013). Sigam-me os bons: apuros e aflições nos enfrentamentos ao regime da heteronormatividade no espaço escolar. Educ. Pesqui., v. 39, n. 1, pp.145-159. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013000100010

Silva, E. L. S (2017). Trajetória, permanência e afiliação de estudanteslgbts na UFRB: a transformação do estigma emorgulho.Dissertação (Mestradoemestudos interdisciplinares sobre a Universidade). Universidade Federal da Bahia, Bahia, Brasil.

Silva, I. M. M.; Lapinski, T. F (2019). Universidade: espaço para (re)pensar concepções de gênero, masculinidade e suas implicações na formação de pedagogos. Revista Diversidade e Educação, v. 7, n. 1, pp. 18-26. https://doi.org/10.14295/de.v7i1.8624

Souza, L. P. de; Noleto, R. S. (2018). Formação docente para a diversidade sexual e degênero: discutindoconceitos e encontrando possibilidades. (pp.198-216). In.: Andrade, B.; Maia, M. F. G (2018). Gênero e diversidade na escola: cenas, contexto e indicadores educacionais da região do Tocantins. EDUFT.

Descargas

Publicado

2022-06-30

Cómo citar

Fernandes Filho, A., & Zigelli Garcia, O. R. . (2022). Criação da CDGEN: uma estratégia institucional para combater a LGBTfobia e violência de gênero no ambiente universitário. RELIES: Revista Del Laboratorio Iberoamericano Para El Estudio Sociohistórico De Las Sexualidades, (7), 34–47. https://doi.org/10.46661/relies.6170